AGROPACTO apresenta mandioca como uma alternativa viável para o semiárido

Segundo o engenheiro agrônomo Henrique Araújo Lima,  palestrante do Pacto de Agropecuária  Cearense –  Agropacto  desta terça feira,  um hectare de mandioca, no sistema adensado com tecnologia, pode produzir 320 toneladas de  ração  por hactare/ano, que dá para alimentar  aproximadamente mil animais/ano.  Sendo uma grande alternativa de alimentação dos animais na época da seca  e que precisa ser  mais incentivada pelos  órgãos governamentais, incluindo agora, a assistência técnica  e divulgação das novas tecnologias , como o adensamento da mandioca , onde pode-se plantar   40 mil covas por hectare ano.  A palestra  foi realizada no auditório do Sistema FAEC/SENAR-AR-CE,   sobre Mandioca Adensada na Alimentação ANIMAL,  O Palestrante além de produtor  é  empresário da HAL-CONSULTORIA EM AGRONEGOCIO E SERVIÇOS e Consultor do SEBRAE em  Mandioca/Agroindústria.

O Estado do Ceará  já chegou a cultivar 130 mil hectares de terras plantadas com mandioca , mas devido as ultimas secas , a área  foi reduzida para  cerca de 60 mil hectares, disse o engenheiro agrônomo da Ematerce  Marcilio de Melo , que participou  da reunião desta terça-feira do Pacto de Cooperação da Agropecuária Cearense-AGROPACTO,  realizada no auditório do Sistema FAEC/SENAR-AR-CE, que contou com a palestra  sobre Mandioca Adensada na Alimentação ANIMAL,  a cargo do Eng. Agrônomo Henrique Araújo Lima da HAL-CONSULTORIA EM AGRONEGOCIO E SERVIÇOS, Consultor do SEBRAE em  Mandioca/Agroindústria.

Na ocasião, ele apresentou aos participantes do Agropacto  a mandioca com uma alternativa viável para o semiárido, podendo  ser usada  na alimentação animal com muita riqueza em proteína e energia,a  custo baixo e alternativa para a substituição de soja e milho, que são alimentos caros  que o Ceará não produz . Além disso é uma cultura altamente adaptável ao semiárido. E usada na alimentação de animais ruminantes ( boi, carneiro )  e não ruminantes ( porco e galinha caipira) , inclusive peixe e abelha.

 Ele apresentou na ocasião alguns equipamentos desenvolvidos pela sua empresa,  como a máquina de cortar mandioca para  cortar a macaxeira em palito, um cortador de manivas para plantio em angulo reto, favorecendo maior produtividade da cultura e um tipo de pulverizador  Trouxe também alguns tipos de cultivares de macaxeira amarela  com grande riqueza em licopeno, e a silagem de mandioca constituído de raízes e folhas.  Apresentou também alguns cultivares oriundos do Chile, Santa Catarina e Acre,que se adaptaram muito bem ao  semiárido. A mandioca é uma alternativa viável para o semiárido, podendo ser usada também como ração para suíno, galinha caipira.

    Segundo o palestrante que tem vasta experiência no cultivo de mandioca, é uma planta rústica e de fácil cultivo; sendo  a única cultura com alta produção de energia e proteína/área que está verde no período seco no semiárido, possui alta palatabilidade para os animais ruminantes e não ruminantes. É uma Planta genuinamente brasileira e Não pode ser tratada como uma cultura de pouca relevância;pode ser cultivada em todo o território nacional; Pode ser explorada em condições de alta tecnologia, em solos marginais com deficiência de insumos. Existe um grande desperdício de parte aérea e casca em todo o Brasil, no Ceará estimamos que esta perda chegando a mais um milhão de toneladas, que se fossem transformadas em carne e leite melhoraria a renda do produtor rural, produzindo ração de baixo custo com alto teor de proteína e energia.

Mandioca na alimentação humana  

Conforme informou a mandioca não tem gluten podendo ser usada de diversas formas na alimentação humana . Já estão testados e catalogados mais de 50 produtos  na alimentação humana que tem como base a mandioca , como pizzas, cozinha de macaxeira, tapioca enriquecida com vitaminas e sais minerais, pão de macaxeira sem gluten.

As macaxeiras das variedades da cor amarela são rica em licopeno, muito procuradas por nutricionistas porque não tem gluten, tornando o alimento funcional, tendo seis vezes mais vitaminas C do que o limão, segundo pesquisa  da Embrapa .

Participantes

 O AGROPACTO  foi coordenado pelo Presidente da FAEC Flávio Saboya e contou com a presença de diversos técnicos da Secretaria de Desenvolvimento Agrário, Ematerce,  Senar, Sebrae, e ainda dos presidentes de Sindicatos Rurais de Horizonte, Ibaretama, Barreira, Canidindé,  Amontada e Viçosa do Ceará .