PRESIDENTE DA FAEC PARTICIPA DE DEBATE SOBRE OS IMPACTOS DA COVID19 NO PROGRAMA ECONOMIA DO SISTEMA O POVO

O impacto real do Covid na produção agropecuária, foi debatido nesta quarta- feira ,20, pela jornalista Neila Fontenele, no seu programa Economia do Grupo O POVO de Comunicação, com a participação do Secretário da SDA, Diassis Diniz e do Presidente da FAEC, Flávio Saboya.

Segundos o Secretário, o Ceará teve a sorte de um bom inverno e isso permitiu que tivéssemos um crescimento de mais de 12 % na produção agrícola . Mas, conforme disse devido as proibições das feiras livres, a SDA teve que se reinventar criando o Portal da Agricultura Familiar e a implantação de Feiras Delivery , em várias cidades , considerados a grande válvula de escape para os produtores comercializarem seus produtos . Cerca de cinco cooperativas também estão usando essas ferramentas e incentivamos as secretarias municípios a se empoderaram do Portal, pois será um processo irreversível para o futuro, disse
Segundo Diassis Diniz , são 351 mil agricultores familiares em várias faixas, onde 50% já está ligados a internet.

O presidente da FAEC Flávio Saboya se firmou que os impactos foram principalmente no setor de flores e frutas e que propôs ao governador manter a feira tradicional para o pequeno produtor e agricultor familiar com o distanciamento e a higienização recomendadas pela OMS, principalmente as grandes feiras como as de Quixadá , Cascavel, Quixeramobim e Ubajara. Ele sugeriu uma União de esforços nesse sentido. Saboya destacou ainda, que o Sistema FAEC/ SENAR parou suas atividades no campo do dia 19 de março a 30 de abril e que retornou o programa de assistência técnica e gerencial com o SENAR no dia 4 de maio, mantendo todas as regras de distanciamento e fornecendo màscara para os produtores.

Flávio Saboya sugeriu que o governo deve apresenta um plano emergencial como prorrogação dos financiamento, crédito novo e edição das taxas de juros.

O Secretário afirmou que o Estado está no combate ao Covid 19 comprando
29 mil litros de leite dos pequenos produtores, pelo PAA, distribuição de alimentos e de 2 milhões de sementes. Sobre o concurso da Ematerce, disse que o Estado está sofrendo uma perda de arrecadação e que hoje a Ematerce dá assistência técnica a
70 mil agricultores e que acredita ser possível concretizar a contratação em breve.