Presidente da FAEC analisa crescimento do PIB da agropecuária cearense

Rodrigo Diógenes Pinheiro – Presidente da FAEC

De acordo com informações divulgadas nesta terça- feira, 23, pelo Insituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Estado do Ceará- IPECE, a recuperação da economia cearense se deu a partir do quarto semestre de 2020, inclusive com a criação de empregos, apesar da pandemia do Covid-19, tendo ocorrido um crescimento da ordem de 3,4% . No tocante a agropecuária o crescimento foi 10,31% maior do que em 2019, o que para nós já era até certo ponto esperado, devido as medidas de apoio do governo em algumas áreas, além do que, os produtores não abandonaram o trabalho no campo, houve um consumo maior de alimentos por parte da população, o que motivou também uma maior produção, destacamos principalmente, as àreas de fruticultura e de avicultura , esta é uma das análises que faço, disse o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará, Rodrigo Diógenes.

Conforme disse a agropecuária é muito relevante nos municipios cearenses, apesar de parecer pequena , em torno de 5% , mas na realidade por demais importante, estima-se que o Estado tenha 1,4 milhão de agricultores familiares e cerca de 499 mil pequenos e médios produtores trabalhando para levar alimento à mesa dos cearenses. Podemos afirmar também que o setor agropecuário vem sendo impactado pelas ações de capacitação do produtor e de assistência técnica direta na propriedade . No caso do Sistema FAEC / SENAR / SINRURAL, ano passado, mesmo com a pandemia, conseguimos levar capacitação a cerca de 60 mil produtores de forma híbrida (on line e presencial) e ampliamos o programa de Assistência Técnica e Gerencial , para cerca de 2 mil produtores, em seis cadeias produtivas.

Outro fator relevante foi a recarga ocorrida nos açudes o que proporcionou a retomada de algumas atividades como a fruticultura e o bom desempenho da cultura do algodão, um projeto encabeçado pela Secretaria de Desenvilvimento Econômico e do Trabalho do Estado- ‘ SEDET, como atesta o próprio Secretário Silvio Carlos Ribeiro, e que também teve o apoio da FAEC .

Para ele , o resultado positivo do setor Agropecuário se deve a fatores como: as boas precipitações e em regiões importantes que contribuíram para o aporte nos reservatórios; o aumento da produção na agricultura, ressaltando fruticultura, hortaliças e a produção de milho e algodão e, na pecuária, com destaque para a avicultura. “Fundamental para esse resultado foi o apoio que o Governo do Ceará vem dando ao setor fazendo a boa interlocução com o setor produtivo, desde a Secretaria de Recursos Hídricos (SRH), Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA), e os seus órgãos vinculados. Vale ressaltar o importante papel da Agência de Defesa Agropecuária (Adagri) em todo esse processo que se modernizou e ampliou as ações de suporte à agropecuária cearense”, revelou o secretário.

O IPECE apresentou ainda as expectativas de crescimento do PIB cearense para 2021, da ordem de 3,55% , um pouco acima do que o do Brasil, que ficará em torno de 3,23%. A previsão de crescimento da agropecuária para 2021 , segundo o Instituto de Pesquisa , é moderado, um crescimento parecido com 2019, tendo em vista, as previsões da Funceme de que o inverno será abaixo da média normal e que os açudes não terão a recarga normal.