ASCAJU e SINCAJU pedem audiência a Assembleia para discutir Cajucultura

A Associação dos Cajucultores do Cearâ- ASCAJU, representada pelo seu presidente Francisco José de Souza e o vice- presidente Wagner Judá e o SINCAJU, pelo presidente Paulo de Tarso estiveram reunidos na Assembleia Legislativa reivindicando ao deputado Romeu Aldigueri, a realização de uma audiência púbica para discutir a Cajucultura e sua revitalização no Estado do Ceará

Segundo Franzé de Sousa, o Estado possui hoje em torno de 450 mil hectares de cajueiros comuns e 50 mil de cajueiros anão precoce, gerando mais de 200 mil empregos no campo na época mais difícil do meio rural, ou seja, na entressafra e 25 mil empregos na indústria na cidade e que o setor ainda se coloca em segundo lugar na pauta de exportação, como importantíssimo no agronegócio cearense. No entanto, precisa ter seu pomares renovados e apoio financeiro para promover a revitalização dos pomares de caju tradicional para outras cultivares pesquisadas pela Embrapa e que dão maior rentabilidade.

Os três representantes foram recebidos pelo parlamentar que prometeu reivindicar a audiência para o início do próximo período legislativo à Mesa Diretora.

Ainda segundo o Presidente da ASCAJU, que é também presidente do Sindicato Rural de Horizonte, filiado a FAEC, outro detalhe importante da Cajucultura é seu aspecto social já que 70% da área plantada está nas mãos de pequenos produtores rurais com áreas em torno de 10 a 20 hectares e ainda com uma vertente ambiental importante pela beleza cênica dos cajueiros na cobertura vegetal dos cinco polos da Cajucultura no Ceará.