AGROPACTO lança Frente Cearense em Defesa do DNOCS

A convite do Pacto de Cooperação da Agropecuária Cearense- AGROPACTO, a engenheira agrônoma e assessora do Diretor Geral do DNOCS ,  Robeísa Herbênia Miranda de Holanda,  esteve na Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará-FAEC, no dia 24 último, quando fez uma exposição sobre as ações do DNOCS na sua área de atuação .

A explanação, o  Coordenador do AGROPACTO e  Presidente da FAEC, Flávio Saboya  propôs e foi aprovado pelos presentes , a criação de uma  Frente Cearense em Defesa do DNOCS. Segundo Flávio  Flavio  o núcleo  central da Frente Cearense em defesa do DNOCS já  terá sua primeira  reunião na próxima sexta-feira, dia  28, na sede da FAEC e será constituída por membros da FAEC, DNOCS,ASSECAS,  BNB e SEBRAE.

Presente na reunião o  ex- diretor do DNOCS Cássio Borges, o diretor administrativo da Assecas, Evandro Bezerra, o assessor do Presidente da FAEC, Paulo Remigio , e pela assessora do DNOCS, Robeísa Holanda, representantes da EMATERCE, Banco do Nordeste, SENAR. . O diretor geral do DNOCS, José Angelo Guerra, não compareceu por estar em viagem a Brasília.

A proposta do Órgão é que a operação do PISF- Programa de Interligação do Rio São Francisco , seja feita pelo DNOCS , e não pela CODEVASF, pois assim o DNOCS iria administrar os próprios reservatórios que construiu, só citando o caso do Ceará, teria 8 barragens âncoras  que acumulariam  as águas do velho Chico:   Castanhão, Orós, Banabuiu, Quixabinha, Prazeres e Atalho. Segundo a assessora do DNOCS, Robeísa Holanda, o Órgão perdeu nos últimos dois anos 250 técnicos de nível superior e teria que contratar imediatamente novos técnicos. Além disso, teve um contingenciamento de recursos esse ano, de mais de 50% o que ainda  tornou mais difícil seu  trabalho.

AS AÇÕES DO DNOCS

Até 2017, 147 secas foram registradas pelo órgão. A  sua atuação se foca na estruturação hídrica de regiões semiáridas, no registro de perdas de vidas por conta da seca e na diminuição do êxodo rural.  Atualmente, o DNOCS auxilia 9 estados do Nordeste e alguns cidades do interior de Minas Gerais, com 327 barragens e 37 perímetros, com 124.167 hectares de área irrigável e 242.771 empregos gerados. 1881 km de adutoras já foram implantados, tendo beneficiado 2,7 milhões de pessoas.

– Açudagem
– Agricultura irrigada
– Distribuição de água (Adutoras)
– Perfuração de poços
– Pequenos sistemas de abastecimento
– Cisternas
– Piscicultura
– Zoneamento ecológico-econômico de áreas suscetíveis a desertificação

AÇÕES FUTURAS
– Continuar com a política de açudagem–segurança hídrica
– Implantar adutoras
– Perfurar poços
– Intensificar ações relacionadas com a Segurança das Barragens do DNOCS
– Desenvolver projetos de transposição de bacias
– Continuar com o zoneamento ecológico-econômico de áreas susceptíveis à desertificação
– Recuperar e modernizar dos projetos públicos de irrigação
– Desenvolver parceria para viabilizar a implantação das Unidades de Recuperação de Área Degradada –URAD no semiárido nordestino